News:

Guerreiro das artes - Warrior of the Arts

1998
1970
1945
IstoƩ 6 October 1999
 

Morre aos 99 anos Pietro Maria Bardi, criador do Masp, o museu mais importante da América Latina

Audacioso, polêmico e irreverente, com um temperamento explosivo e fama de brigão, o italiano Pietro Maria Bardi foi dono de uma vitalidade incomum, desdobrada em 99 anos de existência nas diversas atividades de historiador e crítico de arte, marchand, escritor, jornalista e diretor de museu. Bardi morreu na madrugada da sexta-feira 1º em consequência de falência múltipla dos órgãos e acidente vascular cerebral isquêmico.

No dia 20 ou 21 – como hesitava o próprio nos últimos tempos – de fevereiro de 2000, o “professor”, como era chamado, completaria 100 anos. Há três, no entanto, ele mal conseguia falar e tinha dias em que não reconhecia nem os amigos mais próximos. Seu estado foi se agravando em 1992, ano da morte da sua mulher, a arquiteta Lina Bo Bardi, que projetou o Museu de Arte de São Paulo, o Masp, que abriga o mais importante acervo de arte ocidental da América Latina, com quatro mil obras avaliadas em US$ 1,5 bilhão, e que ele dirigiu por mais de quatro décadas.

Naquele ano, Bardi quase conseguiu realizar um dos seus sonhos – o de morrer trabalhando, escrevendo sobre a sua maior e generosa criação. Na ocasião, revisava os originais do último dos 50 livros que escreveu, História do Masp, de 1946 a 1990, quando sofreu um rompimento da aorta. Ele se encontrava na sua sala de diretor honorário do museu que ajudou a fundar em 1947 em parceria com outro aventureiro, o jornalista e magnata Assis Chateaubriand, o todo-poderoso dono dos Diários e Emissoras Associados, o maior império editorial e radiofônico brasileiro dos anos 30 e 40.

Ambos se conheceram em Roma, apresentados pelo então embaixador Pedro de Barros. Em seguida, Bardi e Lina foram convidados a trazer uma exposição de arte italiana para o Rio de Janeiro, onde o casal aportou em 1946 a bordo do navio Almirante Jaceguai. Acabaram ficando no Brasil. O encontro de Chateaubriand e Bardi marcou o surgimento de uma dupla mitológica no cenário artístico brasileiro, com casos lendários de malandragem na aquisição do rico acervo do Masp. Respaldado pelo prestígio financeiro do empresário e pelo seu próprio e apuradíssimo faro de expert em arte, Bardi, já naturalizado brasileiro, voltou a uma Europa arrasada no pós-guerra para garimpar obras que começaram a rechear a nascente pinacoteca do Museu. De 1947 a 1953, comprou preciosidades a preços baixíssimos, como todos os 73 bronzes de uma série do escultor francês Degas, arrematados por US$ 45 mil – hoje, apenas uma das peças, a Bailarina, vale US$ 400 mil –, além das telas O estudante, de Van Gogh, e O conde-duque de Olivares, de Velásquez, adquiridas por US$ 40 mil cada uma e atualmente avaliadas em US$ 30 milhões.

A certa altura da empreitada artística, com 101 obras-primas – entre elas, a tela Ressurreição, de Rafael, avaliada em US$ 2 milhões – compradas sem lastro, a audaciosa dupla acumulava uma dívida de US$ 4 milhões, que acabou sendo avalizada por um empréstimo obtido por Chateaubriand com o banqueiro americano David Rockfeller. O empréstimo jamais foi pago. A dívida foi nacionalizada e transferida para a Caixa Econômica Federal. Com a inflação, desvalorizou e, na época do governo Médici, foi anistiada pelo então ministro da Educação Jarbas Passarinho e paga com o resultado de uma das apostas da Loteria Federal. Artimanhas do gênero ajudaram Bardi a compor um valioso acervo.

Mas ele não limitou o museu a ser apenas um repositório de obras de arte. Junto a Lina Bo abriu o Masp às mais variadas manifestações artísticas. Fábio Magalhães, que foi conservador em chefe do Masp, de 1990 a 1995, lembra como Bardi estava atento à diversificação. “Ele desenvolveu o conceito de museu vivo.”
A inquietude ele trouxe da sua Itália natal. Pietro Maria Bardi nasceu junto com o século XX, em La Spezia, uma pequena cidade do golfo de Gênova, na Ligúria. Só chegou até o terceiro ano primário, que repetiu três vezes. “Sou o mais completo e puro autodidata que existe no mundo”, dizia o “professor”, título cunhado por Chateubriand.

Convertido ao jornalismo, “um vício” que cultivou até os 92 anos, com uma página semanal em istoé, ele foi cronista e redator de várias publicações italianas. Polêmico, foi acusado várias vezes de comprar obras falsas ou usar o Masp como um balcão de negócios. Seu mais famoso desafeto foi o filho do dono dos Diários Associados, Gilberto Chateaubriand, que o acusou várias vezes de atribuir autenticidade a um grande número de quadros falsos e de conciliar o cargo de diretor de museu com a profissão de marchand. Bardi nunca recebeu remuneração pelo seu cargo, que exercia com garra. Num de seus atos intempestivos, escreveu a palavra merda em vermelho como protesto às pichações na fachada do museu.

Bardi costumava acordar às 5h. Durante 44 anos chegava pontualmente às 8h no prédio do Masp, situado na avenida Paulista. “Não bebo, não fumo e não sei o que é novela.

Meu segredo é trabalhar sempre e não dar importância aos invejosos, vero?”, dizia, dando a receita de sua longevidade.

English translation:

Pietro Maria Bardi, creator of the MASP, Latin America's most important museum, dies aged 99

Audacious, controversial and irreverent, with an explosive temperament and a reputation as a bully, Italian Pietro Maria Bardi was the owner of an uncommon vitality, unfolded in 99 years of existence in the various activities of historian and art critic, art dealer, writer, journalist and museum director. Bardi died in the early hours of Friday 1st as a result of multiple organ failure and ischemic stroke.

On February 20 or 21 - as he himself hesitated lately - of 2000, the "professor", as he was called, would turn 100 years old. For three years, however, he could hardly speak and on days when he did not even recognise his closest friends. His condition worsened in 1992, the year of the death of his wife, architect Lina Bo Bardi, who designed the São Paulo Art Museum, MASP, which houses the most important collection of western art in Latin America, with four thousand works valued at US$1.5 billion, and which he directed for more than four decades.

That year, Bardi almost achieved one of his dreams - that of dying working, writing about his greatest and generous creation. At the time, he was revising the originals of the last of the 50 books he wrote, History of MASP, from 1946 to 1990, when he suffered a ruptured aorta. He was in his room as honorary director of the museum he helped found in 1947 in partnership with another adventurer, the journalist and tycoon Assis Chateaubriand, the all-powerful owner of the Diarios e Emissoras Associados, the largest Brazilian publishing and radio empire of the 1930s and 1940s.

Both met in Rome, introduced to each other by the then ambassador Pedro de Barros. Bardi and Lina were then invited to bring an exhibition of Italian art to Rio de Janeiro, where the couple arrived in 1946 aboard the ship Almirante Jaceguai. They ended up staying in Brazil. The meeting of Chateaubriand and Bardi marked the emergence of a mythological duo on the Brazilian art scene, with legendary cases of rascality in the acquisition of the rich Masp collection. Backed by the financial prestige of the businessman and by his own keen sense as an art expert, Bardi, now a naturalised Brazilian, returned to a devastated post-war Europe to search for works that began to fill the nascent art collection of the Museum. From 1947 to 1953, he bought gems at very low prices, such as all 73 bronzes from a series by the French sculptor Degas, bought for US$ 45 thousand - today, only one of the pieces, the Ballerina, is worth US$ 400 thousand -, as well as the canvases The Student, by Van Gogh, and The Count-Duke of Olivares, by Velásquez, acquired for US$ 40 thousand each and currently valued at US$ 30 million.

At a certain point in their artistic endeavor, with 101 masterpieces - including Raphael's Resurrection, valued at US$ 2 million - bought without ballast, the audacious duo accumulated a US$ 4 million debt, which was eventually backed by a loan obtained by Chateaubriand from American banker David Rockefeller. The loan was never repaid. The debt was nationalised and transferred to the Caixa Econômica Federal. With inflation, it became devalued and, during the Medici government, was amnestied by then Education Minister Jarbas Passarinho and paid with the proceeds of a Loteria Federal bet. Tricks of the sort helped Bardi to compose a valuable collection.

But he did not limit the museum to being just a repository of works of art. Together with Lina Bo, he opened up MASP to a wide variety of artistic manifestations. Fábio Magalhães, who was Masp's chief curator from 1990 to 1995, recalls how Bardi was attentive to diversification. "He developed the concept of a living museum."

The restlessness he brought from his native Italy. Pietro Maria Bardi was born along with the 20th century in La Spezia, a small town on the Gulf of Genoa in Liguria. He only got as far as the third primary year, which he repeated three times. "I am the most complete and pure autodidact in the world," said the "professor", a title coined by Chateubriand.

A convert to journalism, "a vice" that he cultivated until he was 92, with a weekly page in Istoé, he was a chronicler and editor for several Italian publications. Controversial, he was accused several times of buying fake works or using MASP as a business counter. His most famous challenge was the son of the owner of Diários Associados, Gilberto Chateaubriand, who repeatedly accused him of attributing authenticity to a large number of fake paintings and of combining his job as museum director with his profession as a dealer. Bardi never received any remuneration for his position, which he exercised with verve. In one of his ill-timed acts, he wrote the word shit in red as a protest against the graffiti on the museum's façade.

Bardi used to wake up at 5am. For 44 years he would arrive punctually at 8am at the Masp building, located on Paulista Avenue. "I don't drink, don't smoke, and don't know what soap operas are.

My secret is to always work and not give importance to the envious, see?", she said, giving the recipe for her longevity.


https://istoe.com.br/29216_GUERREIRO+DAS+ARTES/
© website copyright Central Registry 2021